quarta-feira, fevereiro 15, 2012

Rio Bravo: R$ 300 Milhões para Energia em 2012


Crédito: gettyimages

A Rio Bravo Investimentos está em sua segunda fase de captação de investimentos. O fundo, que já captou R$ 300 milhões em 2010, pretende reunir o mesmo valor até o final de março deste ano. Os recursos serão aportados em projetos de energia renovável, especialmente em parques eólicos.
O fundo tem hoje 570MW em usinas eólicas contratadas por certames realizados pelo governo, fora outros projetos hidrelétricos. Para o próximo leilão de energia nova A-3, “ainda não há parcerias firmadas”, mas, segundo Sérgio Guimarães de Melo Brandão, co-gestor do fundo de energia da Rio Bravo, “há conversas em andamento”.
De acordo com Brandão, a queda da tarifa eólica nos últimos leilões não preocupa os investidores. “Não é que o preço é baixo. É que os custos dos equipamentos estão melhores. Se você conseguir negociar o preço dos equipamentos bem, o valor do MWh fica adequado ao investimento”, ameniza.
Brandão explica a fórmula do sucesso nos certames. “Para ser bem sucedido no leilão precisa ter volume. Aos preços atuais, eólica não é um jogo para pequenos projetos. É preciso ter volume para poder negociar condições de pagamentos melhores com os fornecedores de equipamentos”.
O gestor continua com as explicações. “Tendo isso acertado antes, você sabe exatamente quanto vai custar seu projeto. Portanto, vai com segurança maior para o leilão, uma vez que tem consciência do preço mínimo que pode chegar”. Sem perder o ritmo, ele aconselha: “quem for com um projeto pequenininho vai ter dificuldade de negociar bons preços. Até porque, os preços só vão subir por aqui se chover menos”.
Questionado se o fundo tem a intenção de investir em outras fontes, como a fotovoltaica, Brandão responde que está satisfeito com os empreendimentos com os quais vem trabalhando. “Só vamos investir em alguma coisa no caso de um projeto excepcionalmente bom. Por hora, estamos satisfeitos”, afirma.
“Temos até outubro de 2013 para terminar a fase do busca por novos projetos. Estamos com tanta coisa em carteira que a gente não tem pressa”, conclui o executivo, que participou nesta terça-feira (14/2) do Congresso de Financiamento e Investimento para Projetos de Energia, realizado em São Paulo.
A Rio Bravo
A primeira emissão de cotas do fundo, iniciada em agosto e encerrada em setembro de 2010, levantou o montante de R$ 300 milhões, principalmente junto a fundos de pensão nacionais. O patrimônio do fundo tem como destino investimentos em companhias nacionais que atuem no setor elétrico.
A Rio Bravo Energia nasceu de um movimento associativo de fundos de pensão, a maioria de representantes de empresas do setor elétrico. Começou a tomar forma em 2008, a partir de uma iniciativa do diretor superintendente da Fundação Itaipu Brasil de Previdência Complementar, Silvio Rangel, apoiada inicialmente por Luiz da Penha, da Fachesf (Chesf) - que tinha por objetivo a realização de um processo de seleção de um gestor nacional para constituição de um FIP focado no setor nacional de energia.
Além destes dois fundos de pensão, participaram para a criação da Rio Bravo a Eletroceee (CEEE), Brasiletros (Ampla), Previnorte (Eletronorte e outros) e Elos (Eletrosul), além da Banesprev (Santander).
Fonte: Jornal da Energia - 14 de Fevereiro de 2012

domingo, fevereiro 12, 2012

Obras Eólicas

Visitas às obras dos parques eólicos de empresas mantenedoras do CERNE (CPFL e SERVENG).
Local: Parazinho (RN) e Pedra Grande (RN).
Data: 09.02.2012.











Apesar de amar a advocacia, é sempre bom lembrar que também sou, com muito orgulho, engenheiro civil. Formação que me dá um "plus" na advocacia, ainda mais atuando nesta área de renováveis. 






sexta-feira, fevereiro 10, 2012

Energia eólica brasileira já é a mais barata do mundo

Com investimento de R$ 8 bilhões, o número de parques eólicos no Brasil mais que duplicou nos últimos dois anos. Em 2009, eram 33 unidades, agora são 71. Até 2016, a expectativa é de que outras 218 estações sejam instaladas. Ainda assim, o Brasil não estará nem perto de atingir sua capacidade eólica. Juntos, os parques que já operam, têm potencial para gerar 1,4 gigawatt (GW) por ano, sendo que a capacidade brasileira de geração gira em torno de 350 GW por ano, mais do que suficiente para abastecer todo o País. Para se ter uma ideia, o consumo energético nacional é de 117 GW por ano.

A energia eólica é considerada nova no País, começou a começou a ser utilizada em 2004. Mesmo assim, a presidente-executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), Elbia Melo, avalia que o Brasil está caminhando para se tornar uma potência no setor. Segundo dados da Abeeólica, a energia proveniente dos ventos corresponde hoje a apenas 1,3% da matriz energética brasileira. Até 2014, o setor deve alcançar 5,6%. "É pouco, mas considerando que estamos falando de uma energia jovem é um crescimento significativo. Além disso, ainda há muito espaço para avanços tecnológicos", explica.

Mapas eólicos indicam que os ventos no País são fortes, constantes e sem rajadas, uma grande vantagem em relação a outras nações. Isso faz com que a parte dos ventos que é efetivamente transformada em energia seja maior. É possível aproveitar de 42% a 45%, podendo chegar a 50%, em locais de Belo Horizonte. Já a média europeia é de apenas 32%. Essa característica colabora para baratear o custo da energia eólica. Prova disso é que, atualmente, a energia eólica produzida no Brasil é a mais barata do mundo. Custa cerca de R$ 105,00 por megawatts/hora (MWh), enquanto a europeia sai, em média, R$ 300,00 por MWh. "A energia eólica já se firmou como fonte limpa, renovável e competitiva. Se antes tínhamos dúvidas disso, agora não temos mais", diz Elbia.

Na comparação com outras fontes de geração, a eólica também vem ganhando destaque. É a segunda mais barata, perdendo apenas para a hidráulica (entre R$ 80,00 e R$ 90,00 por KW/h). Com leilões de 2009 à 2011, o governo contratou quase 3 GW de energia eólica para os próximos 5 anos. Para atender à demanda criada, a capacidade instalada eólica quintuplicará durante o período.

Para Elbia, se 2011 foi o ano da consolidação da energia eólica na matriz energética nacional, 2012 será o da solidificação da indústria do setor. Não só dos parques de geração, mas também da cadeia produtiva. Atualmente, existem dez empresas fabricantes de equipamentos no País. Outras duas devem se instalar aqui até o final do ano. "A expectativa para esse ano é consolidar a indústria como um todo, com todas as partes da cadeia", diz Elbia.

Sobre a possibilidade de explorar outras regiões além da nordeste e sul, a presidente-executiva da Abeeólica é otimista. Ela revela que, com novas tecnologias, é possível produzir torres cada vez mais altas com maior capacidade de captação de ventos. A partir disso, estuda-se explorar os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. Torres de medição já foram instaladas para verificar se compensa investir nessas áreas. As pesquisas ainda não foram finalizadas, mas já apresentam sinais positivos.


SABRINA BEVILACQUA
Direto de São Paulo
Portal Terra - Economia

Brasil pode aumentar geração eólica e se tornar o 4º maior mercado mundial em 2012

O Brasil pode se tornar o quarto maior mercado de parques eólicos em 2012, acima da 11ª posição ocupada no ano passado. O motivo é o corte de subsídios para energia renovável em algumas nações desenvolvidas.
.
Para Steve Sawyer, secretário-geral da Global Wind Energy Council, o país tem capacidade para instalar parques de até 2 mil megawatts de energia, atrás apenas da China, Estados Unidos e Índia.
.
Brasil Econômico – 08/02/2012

domingo, janeiro 22, 2012

7 incríveis projetos de energia solar no mundo

Quando se pensa em energia solar, a primeira imagem que surge é, em geral, a de painéis instalados no telhado de uma casa. Mas há usos mais audaciosos mundo a fora, como mostra esta seleção de mega projetos. Confira.
Solar Powered Office Complex

Solar Powered Office Complex


Em formato de leque, esta estrutura que se assemelha a um relógio é o maior edifício comercial alimentado por energia solar no mundo. Localizado em Dezhou, na província de Shandong, noroeste da China, o prédio de 75 mil metros quadrados de área abriga um hotel, centros de exposição, laboratórios de pesquisa e desenvolvimento científicos e espaçosas salas para reunião e treinamento.
Com uma cobertura de paineis solares de 5 mil metros quadrados, o edifício tem 95% de suas necessidades energéticas proveniente dessa fonte renovável. A cor branca adotada na fachada simboliza energia limpa, além de ajudar a refletir a luz do sol, reduzindo o calor.



Estádio de Kaohsiung, em Taiwan

Estádio de Kaohsiung, em Taiwan

Com jeitão futurístico, o estádio de Kaohsiung, em Taiwan, carrega o título de primeiro do mundo 100% movido a energia solar. Seu teto é recoberto por nada mais nada menos do que 8.844 placas solares, que fornecem energia suficiente para as 3,3 mil lâmpadas que iluminam o estádio e mais dois telões gigantes que transmitem os jogos.
O uso dessa fonte de energia renovável e limpa evita a emissão de 660 toneladas de CO2 na atmosfera anualmente. Em formato que remete a ferradura de um cavalo, a arena criada pela firma japonesa de arquitetura Toyo Ito foi construída para os Jogos Mundiais de 2009 e tem capacidade para 55 mil pessoas.



Gemasolar, na Sevilha, Espanha

Gemasolar: energia 24h por dia


Apesar das claras vantagens ecológicas, projetos de energia solar têm um calcanhar de Aquiles: eles dependem da existência de luz natural para produzir eletricidade. Mas um sistema de geração em Sevilha, na Espanha, mandou para escanteio essa fraqueza. Trata-se da Gemasolar, a primeira usina de energia solar concentrada (ESC) em escala comercial do mundo, que gera energia durante a noite ou em dias nublados.
A produção de eletricidade sem a presença de luz solar resulta de uma inovadora tecnologia que usa sal fundido para estocar calor e operar 24h. Com capacidade instalada de 19,9 megawatts, a central já fornece energia para 25 mil lares na região de Andaluzia.



Sanyo Solar Arc

Sanyo Solar Arc

Essa estrutura em forma de asa elegantemente “pousada” no solo abriga desde 2002 o Museu daEnergia Solar, mais conhecido como Sanyo Solar Ark. Semelhante a um arco de 315 metros de largura e 37 m de altura. Localizado na Província de Gifu, no centro do Japão, o impressionante edifício possui mais 5 mil paineis solares e produz mais de 500 mil kWh de energia por ano. A fachada da atração, que também abriga centro de pesquisa em tecnologia solar da Sanyo, também é coberta por lâmpadas leds, que se iluminam à noite. 



Pista de Nascar Solar

Pista de Nascar Solar

A maior instalação esportiva para corrida abastecida por energia solar do mundo é uma pista de Nascar, categoria do automobilismo. Trata-se do Pocono Raceway, centro norte-americano do estado da Pensilvânia, que acionou ano passado sua usina para captação da luz solar por painéis fotovoltaicos. Além de fornecer energia suficiente para a instalação desportiva, o novo sistema, com capacidade instalada de 3MW, abastece cerca de mil casas nas proximidades. No período de um ano, cerca de cinco mil tonelads de CO2 devem deixar de ser emitidos.



vilarejo de Sonnenschiff

Sonnenschiff: um vilarejo com excedente de energia

Cinquenta e duas casas, entre residenciais e comerciais, formam o bairro ancorado em Freiburg, na Alemanha, que se tornou referência em boa vida e impacto ambiental mínimo. Situado em uma das regiões mais ensolaradas do país, o vilarejo de Sonnenschiff é capaz de produzir quatro vezes mais energia do que consome.
A auto-suficiência é atingida através do seu projeto de energia solar, que utiliza painéis fotovoltaicos posicionados estrategicamente para aproveitar ao máximo a incidência dos raios de sol. Além de aproveitar a luz natural, com amplas aberturas para deixar o sol entrar nos ambientes internos, as casas ecológicas também contam com tecnologia para economizar água.
Os telhados possuem sistemas de captação de água da chuva, que depois é utilizada na irrigação de jardins e nas descargas de vasos sanitários, diminuindo ainda mais o impacto no ambiente.



Ponte Blackfriars, em Londres

Ponte Blackfriars

Construída na era do vapor, em 1886, a ponte de Blackfriars, sobre o rio Tâmisa, em Londres, se tonará em breve a maior ponte solar do mundo. A estrutura vitoriana passa por um retrofit, com conclusão prevista para 2012, para se transformar em uma estação de trem movida pela energia gerada por mais de 4 mil paineis fotovoltaicos.
Quando concluída, a estação contará com seis mil metros quadrados de teto solar, capaz de produzir 900 mil kWh anualmente. Metade da energia necessária para a movimentação dos trens será suprida pela geração alternativa, o que vai evitar a emissão de 511 toneladas de CO2 na atmosfera.

Fonte: Exame.com



quinta-feira, janeiro 19, 2012

O desabrochar das eólicas



Inovações tecnológicas e investimentos públicos barateiam custo de geração, revelam potencial surpreendente no Brasil e abalam de novo mito de que “não há alternativas” limpas ao petróleo 2011 foi o ano da maturidade da energia eólica. Nos leilões de energia, firmou-se como a segunda energia mais barata, logo após a hidrelétrica. Substituiu as térmicas a gás, pelo fato dos projetos em curso já terem absorvido a produção nacional de gás até 2020. Mostrou-se mais competitiva que a biomassa e as PCHs (Pequenas Centrais Hidrelétricas). Neste caso, devido aos altos custos da construção civil, em um mercado aquecido.

O principal avanço do setor foi o custo do capital, que caiu muito nos últimos anos. Quando foi lançado o Proinf (Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica), em 2002, o custo de capital era de R$ 6,4 milhões por MWh. Hoje em dia, está em R$ 3,4 milhões.

A principal razão dessa queda foram os ganhos tecnológicos decorrentes da experiência acumulada de 2004 para cá. O fator líquido de capacidade (quanto da capacidade instalada se converte em energia efetiva) saltou de 32% para 45%.

Contribuíram para isso, de um lado, a elevação das torres, que saltaram de 50 metros de altura para 108 metros, captando ventos mais fortes e constantes.  Depois, avanços nos motores e nas hélices, a partir de tecnologia importada da aeronáutica, no perfil aerodinâmico da pá, na capacidade de retirar o máximo da força do vento e transformar o movimento da hélice em energia.

Mas o principal fator de diferença de preços entre Brasil e Europa é a qualidade dos ventos nacionais. E ainda há uma vantagem extra de que as energias eólica e hidráulica são complementares: quando chove muito, venta menos; e viceversa. Assim, em tempos de estiagem há maior produção de energia eólica. Apenas Canadá e Noruega possuem essa característica. Houve contribuição, também, dos estudos meteorológicos.

Em 2001 foi publicado o primeiro Atlas Eólico Brasileiro. Mediram-se os ventos a uma altura de 45 metros. Este ano sairá a versão atualizada, mas aí medindo as correntes de vento a uma altitude de 100, 120 metros.

Os estudos estão sendo conduzidos pelo CEPEL (Centro de Pesquisa e Tecnologia de Eletricidade da Eletrobras) junto com o Coppe, trabalhando em estreito contato com o INPA (Instituto Nacional de Pesquisas Aeropespaciais).

Provavelmente o potencial eólico medido será o triplo do Atlas 2001. Naquele, o potencial total era estimado em 143 GWh; no novo, em 300.

Além disso, descobriram-se potenciais de vento fora do litoral, especialmente no interior da Bahia, em uma faixa que se estende por Ceará e Piauí.

A expansão do setor tem dois momentos cruciais. O primeiro, em 2004, quando surge o Proinfa regulamentando lei de 2001, criada na época do racionamento. O segundo, quando a então Ministra das Minas e Energia, Dilma Rousseff, precisou regulamentar o setor. Foram necessários os primeiros incentivos para sinalizar os fabricantes de bens de capital, esperando colher os frutos no futuro.

Hoje em dia, praticamente todas as grandes empresas de energia elétrica investem em energia eólica. Também entraram no setor grupos não-tradicionais.

Blog de Luís Nassif – 18/01/2012

quinta-feira, dezembro 29, 2011

Nissan Leaf integra Posto do Futuro Petrobras



O Posto do Futuro Petrobras é iniciativa para produção de carro elétrico no Brasil. Foto: DivulgaçãoO Posto do Futuro Petrobras é iniciativa para produção de carro elétrico no Brasil. Foto: Divulgação
O Nissan Leaf é um dos protagonistas do projeto Posto do Futuro Petrobras, que foi inaugurado, dia 13/12, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro (RJ). Fruto de uma parceria entre a Petrobras e a Intel, o Posto do Futuro reúne as mais novas tecnologias em interatividade com o consumidor, eficiência energética e sustentabilidade ambiental aplicadas às atividades de abastecimento, conveniência e outros serviços agregados ao varejo em postos de serviços.

A energia solar é outra atração no Posto do Futuro, utilizada para dois propósitos: numa estação para carga de veículos elétricos e no aquecimento de água para lavagem de veículos, o que reduz o uso de produtos químicos e volume de enxágüe em até 10%.

A energia eólica também está presente. Acumulada em baterias, ela alimenta as lâmpadas de leds da iluminação de emergência das entradas da pista de abastecimento.

Lançado em 2010, o veículo é alimentado por baterias de íons de lítio, tem autonomia de 160 quilômetros com uma única carga (de acordo com a US EPA City Cicle), capaz de se recarregar completamente em 8 horas, em uma tomada de 220 volts, ou ainda de ter 80% de carga em apenas 30 minutos, utilizando um carregador de 400 volts. O carro é produzido a partir de 99% de materiais recicláveis, acessível e com autonomia de carga suficiente para as necessidades urbanas.

No Brasil, a fabricação do carro elétrico ainda é bem tímida, pois as empresas automobilísticas aguardam algum incentivo significativo do governo para investir neste novo produto, porém os brasileiros podem conhecer e dirigir o Leaf por meio da Nissan Inova Show. Nos Estados Unidos, por exemplo, o Nissan Leaf é comercializado por USS 32.700, sem contar os descontos proporcionados pelo governo local que está incentivando o carro elétrico tanto para a indústria quanto para o mercado. Comercializado no Japão, Estados Unidos e em países da Europa, o carro elétrico é produzido na fábrica da Nissan em Oppama, no Japão. Até o final de 2012, ele será feito também na fábrica de Smyrna, Tennessee (EUA), e na usina de Sunderland, no Reino Unido, até o início de 2013.

A Cisco participa da iniciativa com o fornecimento de servidores, equipamentos de rede, infra-estrutura de wireless e tablets; a GE está presente no equipamento de carga de veículos elétricos e nas bombas de combustível com mídia digital e sistema de automação.